Hoje vamos escrever-vos sobre amor e sobre o tomar banho em casal. Tomando banho juntos, poupa-se água, dizem. Mas qual é o casal que não procura tomar banho juntos? Isso é saudável para a relação. Mas não nos venham dizer que é o melhor do mundo… Nós desvendamos a realidade por detrás dos filmes, por detrás das dicas de revistas cor-de-rosa. Tomar banho juntos pode ter uma realidade muito diferente da expectativa.
 
        Tomando banho de imersão, sente-se que somos uns gordos e que as banheiras são cada vez mais pequenas. Nos filmes é tudo muito bonito, tentador, sedutor, mas na realidade a água fica logo fria, o espaço é insuficiente, e muitos danos podem ser causados. Não se relaxa como num banho individual. Vá, sem medos, sejam sinceros. Se preferirem não comentar, pensem para vocês a justiça do caso.
       E agora há quem diga “mas têm sempre a hipótese de tomar um duche, é muito mais fácil”. Certo…
       Para mim (Ele) é um frio que não aguento. Enquanto eu me despacho a colocar o shampô e o tiro para passar o gel de banho, ela demora três dias e mete três vezes a lavagem em shampô, depois o amaciador, depois o esfoliante e ainda o gel de banho. No entretanto estou eu ao frio enquanto ela avança e sai da água quente…
       Por outro lado, eu (Ela) tenho outra perspectiva. Acho tudo muito bonito e romântico, aconchegante e amoroso, mas a verdade é que ele prepara o duche, eu entro e… PUFF! Vem o fogo a a poderar-se do meu corpo!!!! Não aguento. É demasiado quente para sobreviver.
        Depois vem a questão da poupança de água, porque enquanto um enxagua o cabelo da colocação de amaciador, o outro pode ir logo passando o gel de banho. Esta é a teoria, certo? Mas está errado!! A verdade é que se gasta o mesmo oi mais, porque há ali uma distracção imensa que nos faz deixar de prestar atenção ao que fazemos. Essa mesma distracção um com o outro pode levar a que se gasta muito mais água, se é que nós estão a entender… A par disso há sempre a piadjinha de dar banho um ao outro e aí vai também dar ao mesmo. Esta parte é que é boa e todos gostamos… Mas escutamos de inventar desculpas de poupança de água.
       Mas com amor tudo se consegue e tudo se ultrapassa. Eu (Ele) passo um pouco de frio; eu (Ela) procuro os meus limites sem me queimar a pele, etc. E assim somos românticos e fofos a representar o filme da vida. Um filme que nos sabe bem representar e viver. O melhor da vida é o amor mesmo, com todas as imperfeições e perfeições que isso acarreta.
       Por isso, neste dia mundial da água, sejam felizes a tomar banho sozinhos ou acompanhados (mas por favor não deixem de tomar banho que isso é que é realmente importante… Ahah). Ah! E quando o fizerem fechem a torneira quando não precisarem da água. Isso é a verdadeira poupança!