Nascemos almas gémeas, mas crescemos uma infância e adolescência longe um do outro. Eu (Ele) cresci em Lisboa, por Telheiras e Odivelas. Sou alfacinha. Já eu (Ela) cresci pelos arredores de Vila Franca de Xira e Lisboa. Sou uma menina de Vila Franca que não sabe bem o sentimento que deve ter quanto ao local que me viu nascer. Isso eu já explico. Por agora, resta-nos dizer que adoramos ver todas as feiras. Há que apoiar o que é português e, por isso mesmo, hoje falamos do que vimos pela conhecida feira de Outubro de Vila Franca de Xira.
       Este é um concelho que gera muitas controvérsias. Eu (Ela) sempre adorei o seu ar rústico, misturado com o ar do campo, com as lezírias e afins. No entanto, tenho o maior dos desgostos em ter nascido numa área tão tradicionalmente néscia que ainda continua a viver uma dita idade da pedra, promovendo actividades como touradas e largadas de touros. Por aqui somos completamente contra. Muito haveria para falar sobre este assunto. Oportunidades não hão-de faltar, infelizmente. Mas hoje não queremos estragar o que de bom se faz por cá. Falamos da feira anual de artesanato de Vila Franca de Xira que junta o que de melhor se faz não só por este concelho, como por todo esse país. Não conseguimos sair de lá ‘de mãos a abanar’. Já que não conseguimos brindar-vos com presentes (esperamos que a altura em que ganhamos o euromilhões chegue rápido, torçam por nós!), vamos brindar-vos com comentários e algumas fotografias que ilustram um pouco do que por lá podem encontrar, se assim desejarem visitar esta feira ainda hoje, ou no fim-de-semana… ou para o ano, que há mais!
       Desde que me lembro que eu (Ela) não perco esta feira anual ou a feira do colete encarnado, no primeiro fim-de-semana de Julho. São datas que se agendam logo em inícios do ano. Mas por diversos motivos não consegui estar presente nesta feira nos últimos dois anos, pelo que foi a primeira vez que o Ele esteve presente. Eu adooooorooooo ver todas as bancas de artesãos que nos mostram as suas artes com as mais variadas formas.
       Estão sempre a surpreender-nos, mas também há vários que nos habituam com as suas presenças. Além dos carrocéis e de todos os doces típicos destas feiras de rua, há o amor de vários artesãos que se juntam num mesmo pavilhão para nos brindar com talentos. Isso é impagável. Deveríamos dar mais valor a estas gentes tão verdadeiras e com tanto talento. É isso que nós defendemos. É isso que adoramos!
       A minha (Ele) opinião é que esta feira (que para além da parte que está no pavilhão, mais artesanal, ainda tem outras vendas na parte exterior) é muito interessante. Não só pelo que a Ela diz, e por podermos valorizar o que de melhor se faz em Portugal (no caso no concelho de VFX), a baixo custo ainda por cima!, é vermos gentes tão genuínas. Mas tenho algo a apontar à Ela, a anfitriã, neste caso. Porque é que não me levaste a ver uma largada?!? Ambos somos contra touradas. Mas eu nunca vi um touro ao vivo e tinha imensa curiosidade. Uma largada é aceitável pois é a força do touro contra a burrice humana. Gostava de ver. Podem criticar, que eu mereço. Sei que a Ela está a ficar enfurecida, ao ler este texto (que tal como os outros escrevemos a meias)… Mas esta é a verdade! Eu tenho curiosidade e gostaria de saciá-la. Só uma vez. Para o próximo ano, podemos ir? Eu sei que depois te entusiasmas a defender o touro e as gentes ditas “tradicionais” não gostam dos teus entusiasmos… Contudo, é só um dia. Pensa nisso, está bem? Para os interessados nesta informação, fica aqui mencionado que já não existem mais largadas este ano. Marquem para Julho, no colete encarnado.
       Pronto, duelo de forças. Como quem vence é o empate, passemos à frente neste assunto. Mas claro, não sem antes dizer que a venda das farturas é muito apropriada a certas pessoas tão dedicadas à “tradição”… Por ser algo original, claro. Pensavam o quê?!
       Esta feira não é só de objectos, nem de tradições menos próprias para animais. Há muito doce para amolecer todos os corações. E não são só os típicos algodões doces, pipocas coloridas, e outros que tais. Há o pelo do pão com chouriço (que é bem bom!!). Há doces tradicionais que te dão difíceis tarefas: escolhas. Ahhh escolhas, que difíceis que são. Ahahah
Eu (Ele) escolhi o doce de tentugal.
Eu (Ela) escolhi uma espécie de quindim de côco.
Ambas as escolhas muito boas, por sinal! Recomendamos!!
        Já visitaram estas feiras, em Vila Franca de Xira? Qual(s) a(s) vossa(s) opinião(s)? Que outras feiras nos recomendam? Estamos totalmente abertos a sugestões!..