Haters são pessoas más, que se limitam a odiar, só porque sim. São pessoas negativas que não procuram motivos para deixar de gostar de um blogue, mas passam logo para a fase da ofensa severa, excessiva e, voltamos a referir, sem motivo. Tanto pela blogosfera, como pelo mundo do youtube, já tínhamos visto vários casos deste tipo. Revolta quem de facto vê esta violência gratuita. Incomoda e desperta-nos para um mundo real cruel sem qualquer tipo de necessidade. Só que quando estes haters, sem bater à porta, nos invadem o espaço virtual, tende a parecer-nos algo ainda mais incomodativo. É connosco… Foi isso que nos aconteceu. Recebemos uma visita especial aqui pelo nosso blogue. Não especial num sentido positivo, mas especial num sentido de que, ao contrário das outras visitas, esta foi grotesca.        Estávamos nós a apresentar o novo rodízio da Pizza Hut (aqui), que já havíamos inclusive distribuído por 10 pessoas distintas, quando recebemos um comentário que nem queremos citar, por isso fizemos um belo de um print screen, qual adolescente que passa a palavra à ‘miga mais próxima (que no caso são vocês):
        A nossa resposta não foi dada de imediato. Lemos, mas primeiro fizemos questão de responder a todos os outros comentários, tão mais importantes. Só no final de respondermos a todos os comentários que tínhamos a precisar de resposta é que chegámos a este. A única coisa que nos lembrámos foi de agradecer a visita. Afinal, quando pensamos no crescimento, pensamos no número de visitas, inevitavelmente. Temos mais uma graças a ele. E não, não estamos a ser irónicos. Todas as visitas são bem-vindas. Claro que umas muito mais bem-vindas que outras… Tendo dito isto, há que referir que, numa próxima ocasião, pedimos que nos consultem para o auxílio dos nossos próprios haters. É que isto não foi haterismo, nem foi nada. Se querem insultar, sejamos mais ofensivos à séria, não fiquemos pela tentativa. Sim, que isto só nos fez rir e pensar que não podia ser a sério… Se querem insultar, peguem no facto de eu (Pedro) ter umas belas pestanas que parecem falsas, sendo verdadeiras (que gay!) – Ahh espera. Isto não é um insulto. Tentemos novamente… “Ah que casal mais parvo. Que feios. Um tão magro e a outra uma badocha“. Hmm espera… Isto também não é um insulto. É que eu (Telma) até podia iniciar uma questão sobre gordura, ou eu (Pedro) divagar sobre a parvoíce que acho ser o “corpo ideal”, mas a verdade é que nos podem dizer tudo, menos que somos um casal feio. Somos estrondosamente felizes e isso é a beleza essencial! Podem então dizer “ah que palhaços, olhem para as caretas que fazem e escondam-se“… Mas nós iríamos rir muito, porque é mesmo verdade e essa é também a nossa felicidade. Bom, afinal não sabemos bem se vos podemos ajudar a destilar o vosso ódio. Nisso deixamos à vossa consideração. Podemos é ajudar-vos com um assunto: Nós agradecemos as visualizações, mas acusamos a sua insignificância para a nossa felicidade ou infelicidade. Pelo contrário, ficamos felizes, porque achamos que ninguém quer ser hater de um blogue que não cobiçam. Ninguém pensa em destilar ódio num blogue que acham completamente medíocre, por isso só temos a agradecer o elogio de decidirem vir literalmente perder o vosso tempo para o nosso espaço. Ficam as dicas.