A escolha do fato do noivo. Há noivas que escolhem tudo para o casamento, inclusive a escolha do fato para o seu noivo. Nenhum de nós está de acordo com esta teoria. Por aqui partilhamos todas as escolhas. O dia de sonho é de ambos, a ser vivido por ambos, pelo que deve ser planeado também pelos dois. As únicas coisas que planeamos à revelia um do outro são as peças de vestuário e alguns acessórios que levamos. Isto dá margem a peripécias. Vamos contar-vos o que se passou, para que se riam connosco.

Peripécia da escolha do fato do noivo

       Quem nos acompanha nas redes sociais sabe que a escolha do vestido de noiva se antevia difícil por a noiva não ter as medidas que costumam ter as noivas, e ficaram também a pensar que o noivo também não tem as medidas adequadas. Ora se um é demasiado gordo, o outro é demasiado magro, o que não facilita a escolha. O meu (Telma) vestido já foi encomendado, mas por agora falta o fato do noivo. Oh complicação! Porque raio é que lojas de noivo não vendem fatos e coletes à parte?! Não se percebe! O que vimos contar é a peripécia envolta da escolha do fato do noivo.
       Nós não achamos que faça muito sentido a noiva escolher tudo num casamento. Para nós é muito importante que sejam escolhidos os pormenores pelos dois noivos. Recusamo-nos a dizer “bolo de noiva“. É “bolo dos noivos“! O casamento é de ambos. Será o dia de sonho de ambos, por mais que os homens tendam a não querer evidenciar isto. Se arranjarem forma de conseguir compartilhar as escolhas, vão ver que a tarefa de organizar um casamento será muito melhor, e que o dia será ainda mais de sonho. Pelo menos essa é a nossa opinião. Então o noivo escolheu que o vestido podia ter o formato que quisesse, mas teria que ser branco, qual noiva tradicional. Tudo bem, os dois concordámos. O vestido foi escolhido, totalmente às escondidas do noivo que só sabe ir encontrar um vestido branco.
       Por outro lado, chega a altura em que o noivo começa a ver fatos. O Pedro perguntou-me então que tipo de fatos gostaria de ver. Eu disse que ele devia escolher aquele que sentisse ser o que o faz o mais bonito do mundo. Disse que deveria experimentar muitos, mesmo aqueles que achava não ficar tão bem. Vamos então passar este texto para diálogo, pois achamos que tem mesmo que ser partilhado, para se rirem com as peripécias de casal, tal como aconteceram.
A conversa

Ele – «Tens alguma cor que prefiras que escolha? Podes dar-me algumas luzes do que gostas?»
Ela – «Não mor, acho que tens que ser tu a escolher. Mas se der para não escolheres castanho… Ou pior: castanho com reflexos avermelhados. Isso pode não ser, está bem? De resto, é o que tu achares.»
Ele – «Sim, mas eu sei que tu já viste muitas imagens no pinterest, deves saber o que preferes. Que cor preferes? Gostas mais de gravata ou de laço? Que tipo de gravata, mais grossa ou daquelas mais finas?»
Ela – «Eu acho que deves perguntar que detalhes podes acrescentar na loja. Também tu podes pesquisar no Pinterest. Escolhe mesmo o que gostares mais. Se tu te sentires perfeito, eu vou amar de certeza absoluta. Eu confio no teu bom gosto!”.
Ele – «Ok. Mas podias enviar então algumas imagens do que mais gostas, ideias de cor, e tamanhos de gravata ou fotografias com laços… Só para ter uma ideia.»
Ela – «Ok, mor. Vai correr muito bem de certeza. Vou então enviar algumas fotografias do Pinterest. Acho giro fatos x, y, z, a, b.»
Ele – (Depois de ter visto algumas fotografias enviadas por ela) «Mor, assim estás a limitar-me. Não posso procurar só duas cores. Eu é que tenho que escolher.»

       Acham isto normal?! Então ele escolhe a cor do meu vestido de noiva e insiste para lhe mandar os detalhes do que costumo gostar, para depois ele me responder isto… Não acho nada normal. Só rir. E por aí, como foi a organização do vosso casamento? Ou como planeiam que seja?
Se tiverem sugestões de locais onde encontrar bonitos fatos de casamento, deixem nos comentários.
Se gostaste do artigo, segue-nos no facebook e instagram.
Se quiseres ler mais, então não te esqueças de o partilhar e/ou comentar com a tua opinião.
Etiquetas: