As últimas publicações feitas, ao longo deste ano, têm dado muito que falar cá por casa, com os amigos e (imaginem!) pela internet fora, pelos mesmos motivos, que não é exactamente aquilo que escrevemos. É mais o que não se lê. Estamos a referir-nos ao quê? À publicidade em blogues. Uma publicidade que se faz representar por um triângulo: marcas que só querem dar produtos em troco de publicidade, ou até que querem escrever no nosso blogue – exploração por parte de marcas; produtos/ idas a restaurantes pagas pelo nosso próprio bolso e publicitadas aqui para partilha de conhecimentos; e publicidade que é paga para ser escrita. Depois disto, existem dois tipos de respostas, que se dividem em dois tipos de bloggers: os que aceitam tudo o que lhes é dado, porque é grátis e isso é bom, escrevendo o que acham que as marcas querem, e depois existem os blogues que assumem a sua fidelidade para com os leitores em primeiro lugar. Vamos então explorar a temática…
       Não nos venham com tretas, porque é extremamente fácil saber se a publicação é só fachada ou se é algo que é mesmo a opinião de quem a escreve. Nós lemos muitos, muitos blogues semanalmente (ou pelo menos tentamos!) e sabemos perfeitamente a diferença. Gostamos de uns pelas dicas que dão, outros pela forma engraçada de escrever, outros até pelas histórias de vida. Mas sabemos que de entre os muitos que seguimos, não podemos confiar em todos para comprar produtos ou ir a algum restaurante recomendado. Isto porque querem dizer bem para tentar uma parceria, ou porque têm uma parceria e não lhes parece bem dizer mal. Se há muitos assim? Sim! Mas também há aqueles que dão a opinião sincera, ganhando ou não com isso. Aqueles que, quando contactados ou quando contactam marcas, afirmam que para se dar uma parceria, há que ter conhecimento que a nossa principal fidelidade será sempre, mas sempre, com o leitor. Devemos-lhe a nossa verdade e não aquela que possa querer ser vendida. Aqui, estamos nós.
Podem dizer que somos uns miúdos que se lançam na aventura da blogosfera, que são loucos, são parolos, só fazem figuras para as fotografias, etc. Podem criticar-nos de todas as formas e feitios. Nós próprios afirmamos que podem contar connosco para isso mesmo. Afinal, somos as pessoas que mais sabem os nossos próprios podres. Todos os temos, mas nós não temos problemas em afirmá-los. Agora insinuar que nos vendemos “por pouco” ou que dizemos o que as marcas pagam para escrevermos, é não ter noção. É não nos conhecer. Isso achamos errado, porque divulgam o nosso trabalho de forma errada. Sem saber o que partilham. Difamam-nos e insultam-nos sem necessidade e sem conhecimento do que falam/ escrevem.

Influenciadores portugueses+ bloggers portugueses + blogueres portugueses + publiposts + publicações patrocinadas + posts pagos +blogue de casal+ marcas + parcerias +blogue ela e ele + Pedro e telma
       Há algum tempo saiu uma lei onde é referido que é obrigatório que todos os blogues assinalem a publicidade. Quase ninguém respeita como bem o sabem. Nós? Nós somos os parolos que assinalam um publipost quando a marca meramente nos convidou a almoçar. Isto, claro, porque gostamos da marca. Porque gastaríamos na mesma o nosso dinheiro lá, e não vemos motivo porque não aceitemos partilhar na mesma a opinião. Ninguém nos pediu para escrever a publicação da Pans (aqui) ou da Pizza Hut (aqui), por exemplo. Meramente convidaram-nos a almoçar, e nós aceitámos e quisemos partilhar. A questão é que ninguém reclama quando vamos a um qualquer outro restaurante em que pagamos nós. Não percebemos bem esta questão, visto que o que temos a dizer mal e bem, independentemente de quem paga, é o mesmo. É a nossa opinião sincera! Nós funcionamos assim, porque não vivemos do blogue. É meramente um hobbie que levamos muito a sério e que gostamos muito. Só que há quem viva do blogue… E aí não vão viver de ofertas de almoços, não vão pagar as contas com o ar que respiram. Se puderem juntar o útil ao agradável, escrevendo sobre o que gostam, e ganhar com isso, então que mal tem?!
É que vagueando pela internet, nas mais simples publicações em blogues vemos claras destilações de veneno e ódio por publicações que são pagas, mas onde isso até é claramente evidenciado, e onde se nota que a opinião é a dele e não o que querem que seja. Onde também é evidenciado que o blogger em questão gostou de facto daquilo sobre o qual está a escrever. Há pessoas que dizem que é ridículo, que se vendem, que não vão voltar, etc. Imaginem que há pessoas que partilham a publicação e até escolhem citações que pareçam que o texto se contradiz, como bem lhes convém, alterando o teor do texto escrito. É que isto ninguém nos contou. Nós vivemos isto com o nosso blogue e já tínhamos lido em vários outros. Agora pedimos que nos expliquem uma questão: porque é que se revoltam tanto?

Influenciadores portugueses+ bloggers portugueses + blogueres portugueses + publiposts + publicações patrocinadas + posts pagos +blogue de casal+ marcas + parcerias +blogue ela e ele + Pedro e telma (2)
Photo by Austin Chan on Unsplash

É que as marcas oferecem-nos aquilo que nem sabemos que queríamos. Oferecem-nos e jogam psicologicamente connosco para nos tentar fazer comprar algo que nem nos faz falta. É o consumismo que se vive hoje em dia, mas que pouco se revoltam contra ele. Mas sim, contra quem ganha dinheiro com um blogue, a fazer publicidade com teor e opiniões verídicas e sinceras…
Para tentarmos perceber isto, pedimos que façam aqui um pequeno e rápido estudo connosco, pensando na vossa rotina diária vivendo numa qualquer cidade:

  • Acordamos, pegamos no telemóvel e vamos rever as redes sociais: Publicidade, publicidade, publicidade.
  • Preparamo-nos e saímos de casa para ir a ler um jornal ou uma revista no caminho nos transportes públicos: Publicidade sim, publicidade não. Publicidade, publicidade, publicidade.
  • Não vão nos transportes públicos, vão de carro a ouvir rádio: Publicidade, música, publicidade, música publicitária.
  • Caminhamos até ao trabalho, onde vamos a ver cartazes pequenos e grandes outdoors (e vão surpreender-se agora:): Publicidade, Publicidade e mais publicidade.
  • Na hora de almoço, no trabalho, vamos ver um pouco de televisão e eis que, qual é o nosso espanto, há publicidade atrás de publicidade.
  • Voltam para casa, de transportes públicos e, mesmo que não tenham reparado de manhã, até no autocarro há publicidade.
  • Vão a um cabeleireiro, e há publicidade nas paredes.
  • Vão a um café e até o letreiro que identifica o nome do café tem publicidade, quanto mais lá dentro.

A lista podia ser interminável, porque a esta altura já todos percebemos a ideia: a publicidade está espalhada por todos os cantos e recantos e é impossível não a ver. Ninguém pode evitar e ninguém costuma reparar, quanto mais reclamar. Então porque é que se reclama e condena tanto quando há publicidade num blogue?! É que é exactamente a mesma coisa! As redes sociais, as revistas, os jornais, a rádio pagam as suas contas com a publicidade feita. Sem ela, não existiriam. Não esperam que as pessoas vão trabalhar de graça, como também não esperam que vás, tu, sim, tu que estás a ler, trabalhar de borla. Pois então porque é que esperam que blogues existam, que tenham a dedicação de qualquer outro trabalho, que abdiquem do seu tempo anos e anos, dia após dia, e não recebam nada por isso?!
Desculpem-nos lá por esta indignação, mas é-nos inevitável. Só queríamos conseguir perceber o motivo de tanto excesso que vai por esta blogosfera fora por causa disto, que nem devia ser assunto, quando bem feito. Não conseguimos ver diferenças entre os exemplos apresentados e a realidade. Mas se vêem, então pedimos, por favor, expliquem-nos. Preferiam que fosse pago por cada leitor uma quota que nos pagasse o nosso trabalho? É que nas revistas vocês pagam e levam com a publicidade na mesma e não vemos ninguém tão indignado… Então e se formos convidados pelos nossos amigos? Também contaria como publicidade? Não percebemos é nada disto…

       Escusado será referir que esta publicação foi escrita para aqueles que nos souberem responder, mas também servirá para agradecer todo o carinho, todas as defesas, toda a família que temos por causa deste blogue. Sim, porque com publicidade ou sem, vocês estão cá e são das nossas maiores alegrias. Obrigado por tudo!